Pele madura: cuidado para mulheres aos 50 anos

Pele madura: cuidado para mulheres aos 50 anos

Aos 50 anos a pele reflete a queda dos níveis hormonais, o que faz com que a maioria das mulheres apresente a pele fina, ressecada e sem brilho, evidenciando-se rugas de média profundidade. Nessa fase, com a diminuição da vascularização e da produção das fibras elásticas e colágenas, a flacidez e perda do contorno facial tornam-se mais evidentes, sendo em geral, uma das maiores preocupações dessa faixa etária. O envelhecimento do pescoço, colo, área dos olhos e ao redor dos lábios torna-se mais acentuado. No corpo ocorrem as mesmas as alterações descritas na face, sendo a flacidez da pele e perda do tônus muscular os principais problemas. Luminosidade, uniformidade, volume e contornos definidos, em conjunto, dão ao rosto uma aparência jovem. Deve-se buscar em cada tratamento o melhor beneficio e considerar o rosto em sua totalidade. Sendo assim, os tratamentos mais recomendados para as mulheres de 50 anos: 1) Desidratação, perda de viço, rugas finas. Tratamento: Skinboosters: são produtos injetáveis a base de acido hialurônico, especialmente desenvolvidos para a hidratação e revitalização da pele. São produzidos através de uma tecnologia que torna o acido hialurônico mais estabilizado, permitindo que este atue como um estimulador (booster) da epiderme e derme. Promovem a formação de um reservatório hídrico de longa duração, além de estimular a síntese de colágeno, propiciando assim, uma hidratação profunda, melhora da firmeza, elasticidade e espessura da pele, alem de devolução do viço da área tratada.  São diferentes dos já bem conhecidos preenchedores à base ácido hialurônico, pois não aumentam o volume e nem preenchem sulcos. Indicação: peles maduras desidratadas, sem brilho e viço. Rugas finas, principalmente ao redor dos olhos. Envelhecimento do colo, pescoço e mãos. Aplicação: utiliza-se um anestésico tópico 30 minutos antes da aplicação, realizada através de agulhas ou cânulas curtas e finas. E um procedimento confortável e praticamente indolor. Recomendam-se 3 sessões mensais, e uma manutenção semestral.   2) Flacidez, Perda da definição do contorno facial. Tratamento: Radiofrequência Tripolar, Infravermelho: Equipamentos que, por meio do aquecimento da derme, estimulam a produção de novas fibras de colágeno, melhorando a flacidez e a espessura da pele. Além do efeito em médio prazo pela produção do novo  colágeno, há um efeito lifting imediato (efeito Cinderela), pela contração do colágeno pre-existente. Alguns aparelhos associam a Radiofrequência ao estimulo muscular, com resultados muito bons no tratamento da flacidez corporal (braços, coxas, abdômen, etc.), além da face. Em geral são realizadas entre 4 a 8 sessões semanais ou quinzenais, com manutenção semestral. A aplicação é confortável, com sensação de aquecimento da pele, podendo ser mais intensa em alguns pontos. Acido L-polilático: Também objetiva a melhora da flacidez da pele e consequentemente do contorno facial. Nesse caso, a injeção dessa substancia estimula os fibroblastos a produzirem novas fibras...

Leia mais

Unhas: doenças e cuidados

Unhas: doenças e cuidados

Quais são as principais causas de unhas fracas, quebradiças ou que descolam na sua parte distal? Alterações na glândula tireoide (hipotireoidismo), anemia, estoques baixos de ferro (ferritina), deficiência de biotina, são as principais causas metabólicas. Traumatismo repetitivo com instrumentos para limpar debaixo das unhas também podem levar a uma inflamação que impede a correta adesão entre a unha e a pele (entre a lamina e leito ungueal). O excesso de água pode enfraquecer as unhas. Assim é imprescindível o uso de luvas para lavar louça e roupas por exemplo. Quais as causas das ondulações nas unhas que, no caso das mulheres, ficam aparentes mesmo com duas camadas de esmalte? Ondulações discretas podem ser causadas por traumatismo na matriz da unha (região que fica abaixo da cutícula). A retirada excessiva das cutículas levando a inflamações e infecções podem comprometer a “produção” da unha, fazendo com a mesma tenha saliências e ondulações leves. A paroníquia (inflamação da cutícula), comumente causada por fungo do tipo candida, pela umidade excessiva também pode causar ondulaçoes. Doenças como psoríase e líquen plano, que produzem lesões características na pele, podem manifestar-se mais raramente somente nas unhas. Nesse caso as alterações são mais importantes com espessamentos, ondulaçoes, descolamentos e alterações na coloração das unhas. Como evitar as unhas encravadas? Na grande maioria das vezes as unhas encravadas são devidas ao corte incorreto. Nunca se devem arredondar os cantos. O corte deve ser quadrado. Micoses nas unhas  também podem levar ao seu encravamento já que ocorre uma alteração na estrutura da lamina ungueal. Grávidas também ficam um pouco mais propensas ao encravamento pela produção excessiva de tecido nos “cantos” nas unhas, o que chamamos de granuloma periungual. O que é o unheiro e pode ser causado pelo que? Unheiro é o nome popular que se da para a paroníquia. A paroníquia é uma inflamação da pele que circunda as unhas, provocada pela infecção pelo fungo candida, podendo estar associado a bactérias também. O local fica avermelhado, inchado, dolorido, muitas vezes com saída de secreção purulenta. Quem trabalha muito com as mãos molhadas (lavar louça, roupa, etc.) é mais propenso a paroníquia pelo excesso de umidade. Retirar as cutículas em demasia também contribui. O que é micose e quais as principais causas? Micose é uma infecção causada por fungos. É mais comum nas unhas dos pés, que se tornam amareladas, espessadas, descoladas,  com material esbranquiçado embaixo das unhas.  Pode ser causada pelo uso de objetos contaminados (material de manicure, sapatos), uso de piscinas, banheiros de vestiários.  Doenças  como diabetes também podem levar ao aparecimento de micoses pela queda da imunidade. Unhas arroxeadas podem indicar o que? Unhas arroxeadas mais comumente podem ser indicio de doenças reumatológicas, problemas renais ou...

Leia mais

Estrias

Estrias

O que são estrias e quais são os seus tipos? As estrias são cicatrizes que se formam em razão da ruptura de fibras elásticas e colágenas presentes na camada intermediária da pele. A sua etiologia não está esclarecida, porém surgem geralmente secundárias à distensão excessiva ou abrupta da pele, cuja ruptura desencadeia um processo inflamatório na derme com comprometimento secundário das fibras elásticas e colágenas. Podem ocorrer em estados fisiológicos como  o crescimento, a  hipertrofia muscular e a gravidez;  ou associadas a outras condições como obesidade, síndrome de Cushing, etc. Estrias recentes: aspecto clínico característico é de lesões lineares avermelhadas, deprimidas ou discretamente elevadas. Estrias “antigas” (tardias): lesões lineares esbranquiçadas, geralmente deprimidas. Quais os tratamentos (a base de cremes) mais eficazes? O tratamento das estrias é difícil. Para que se obtenha um melhor resultado, o ideal é que a abordagem terapêutica seja realizada na fase eritematosa (estrias  recentes)  antes que o processo reparador cicatricial (atrofia dermo-epidérmica)  seja instalado (estrias tardias), quadro em que a resposta ao tratamento pode ser não tão significativa. A associação de tratamentos e fundamental para se alcançar um maior porcentual de melhora do aspecto das estrias. A pele com estrias possui colágeno e elastina de forma totalmente desorganizada. Para auxiliar a prevenção e ou diminuir a formação das estrias, o creme deve conter substancias que estimulem a reorganização e síntese dessas fibras, assim como ativos para diminuir sua degradação, estimular a microcirculação e aumentar a capacidade de resistência e hidratação da pele. Quais os ativos mais utilizados para o tratamento do problema? Acido retinóico: e o que comprovadamente nos estudos se mostra capaz de estimular a produção de colágeno, aumentando a espessura da derme e promove renovação celular. Vitamina C: também contribui para a produção de colágeno, porém menos intensamente que o acido retinoico. Ácido Glicólico: esfolia a pele estimulando a renovação celular facilitando a penetração de outros ativos, alem de estimular o colágeno. Ativos hidratantes: fundamentais na prevenção e manutenção do tratamento. Exemplos: D-pantenol, vitamina E, acido láctico, acido hialurônico, óleos de semente de uva e rosa mosqueta. X-Solve: e capaz de modular a microcirculação por atuar diretamente no estímulo da musculatura lisa das arteríolas e indiretamente na síntese de ácidos graxos poli-insaturados, proporcionando rápido aumento da perfusão sanguínea local. Dicas para evitar estrias: Consultando a literatura, observa-se uma escassez de estudos a respeito desse tema, tanto no que se refere à etiopatogenia e prevenção como ao tratamento. Admite-se que haja um defeito genético, relacionado ao metabolismo diminuído dos fibroblastos, com resposta anormal ao estiramento da pele. Dessa forma, em linhas gerais, devem-se evitar processos em que a ocorra a distensão abrupta da pele como ganho de peso em excesso e repentino e hipertrofias musculares por atividade física intensa, manter a...

Leia mais

Alerta sobre produto que congela verrugas!

Alerta sobre produto que congela verrugas!

Recentemente tem sido veiculado na mídia anúncio sobre produto que “congela verrugas”. Diante do risco que tal produto representa em função de seu uso inadequado e/ ou diagnostico incorreto, a Sociedade Brasileira de Dermatologia manifestou-se no sentido de alertar a população. No texto abaixo segue a explicação que a SBD tem encaminhado aos veículos de comunicação. Entidade afirma que o estímulo publicitário ao autodiagnóstico e à manipulação inadequada dessas lesões da pele pode resultar em complicações no tratamento de doenças como infecções virais e até câncer. A Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional do Estado de São Paulo (SBD-SP) alerta médicos e pacientes sobre os perigos da automedicação em dermatologia e os riscos para a saúde da população. O diretor de comunicação da entidade Dr. Francisco Paschoal vê com preocupação a veiculação de anúncios publicitários de produtos que prometem tratar lesões da pele popularmente conhecidas “verrugas”. Segundo ele, “a manipulação inadequada dessas lesões, que podem ser cancerosas, pré-cancerosas ou virais, pode prejudicar o tratamento correto e interferir no prognóstico, geralmente bom quando realizado corretamente. Não cabe ao paciente a responsabilidade de se auto-diagnosticar e saber se está tratando a doença certa”. O Dr. Luiz Henrique Paschoal, Professor Titular da Disciplina de Dermatologia, do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina do ABC, relatou um caso automedicação desastrosa: “Recentemente atendi um paciente que se automedicou com um produto que prometia tratar verrugas, mas na realidade, ele apresentava uma queratose actínica, lesão pré-cancerosa que acabou até infeccionando, uma complicação a mais devido ao tratamento inadequado”. Paschoal explica que as verrugas virais são lesões causadas pelo papilomavírus humano (HPV). “Elas podem se disseminar pela pele através do contato das lesões com áreas não atingidas, e são transmitidas pelo contato direto com pessoas contaminadas”. Podem se manifestar de várias formas, de acordo com a sua localização: verruga vulgar, plana juvenil, plantar ou filiforme. O tratamento das verrugas pode exigir a cauterização com medicamentos cáusticos, eletrocoagulação, congelamento por frio, cirurgia, eliminação com raio laser. “Atualmente, para alguns casos, alcançamos a cura com um tipo de creme, que estimula o organismo do paciente a eliminar a verruga, através das defesas orgânicas. Este método é bastante simples e de fácil execução. O produto é aplicado pelo próprio paciente em casa, porém, para esse tipo de tratamento é necessária a orientação médica especializada”,...

Leia mais

Vida e saúde: Conheça os riscos da escova progressiva

Vida e saúde: Conheça os riscos da escova progressiva

Desde que a escova progressiva foi lançada no mercado, ganhou várias fãs por todo o País. No entanto, não é novidade para ninguém que as substâncias presentes nesse tratamento agridem o cabelo e podem até causar outros problemas de saúde. A discussão entrou em destaque depois da morte da dona de casa Maria Ení da Silva, 33 anos, no dia 21 de março. Ela fez a escova progressiva no cabelo e recebeu a recomendação de deixar o produto agir por três dias antes de lavar. Maria sofreu um choque anafilático e em seguida uma parada cardio-respiratória. “Essa mulher pode ter sido intoxicada por alguma substância da escova, entre elas, o formol”, explica a dermatologista Solange Teixeira. O formol é uma das substâncias utilizadas em escovas progressivas. No entanto, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a concentração do produto em cosméticos não pode ser maior de 0,2%. “Ele pode ser usado como conservante e também em produtos fortalecedores de unha. O uso do formol como alisante não é registrado pela Anvisa”, explica a dermatologista especialista cosmiatria, Ana Cristina Trench. “O problema maior é que para ter efeito no alisamento, o produto é usado em uma quantidade bem maior que os 0,2%”, adverte. “A escova progressiva não é mais feita nos salões. Hoje fazemos tratamentos em que o cabelo pode ser lavado no mesmo dia”, explica Micheli Amin, cabeleireira do salão Jacques Janine. “A fórmula original foi desenvolvida em fundo de quintal. No salão, usamos outros produtos para o alisamento à base, por exemplo, de amônia”, explica a profissional. Apesar do formol ser uma substância tóxica, de acordo com Solange, o choque anafilático ocorrido na dona de casa pode ter sido efeito de uma reação individual. “Ela poderia ser alérgica à substância e não sabia, assim como algumas pessoas têm alergia a picadas de abelha. Caso contrário, esse problema teria ocorrido com muitas outras pessoas que fizeram o tratamento”. O formol pode causar irritação na pele e, dependendo da quantidade, até queimaduras, além de irritação nos olhos. Se o contato for freqüente, o que ocorre com os profissionais que manipulam o produto, como os cabeleireiros, pode provocar dores de garganta e ainda aumentar os riscos do desenvolvimento de alguns tipos de câncer. Serviço: Solange Teixeira – dermatologista Ana Cristina Trench – dermatologista endereço...

Leia mais

O que é celulite: sintomas e tratamentos

O que é celulite: sintomas e tratamentos

O que é celulite? Quais os seus sintomas e estágios? A lipodistrofia ginóide, conhecida popularmente como celulite, resulta de um processo que envolve alterações nos adipócitos (células de gordura), na matriz intercelular (tecido conjuntivo da pele), e na microcirculação (sanguínea e linfática). Não é sinônimo de obesidade ou de gordura localizada, o que pode ser constatado pelo fato de que muitas mulheres magras também tem celulite. Pode estar presente em vários locais, porém é mais frequentemente observada nas coxas, nádegas e abdômen.   Clinicamente caracteriza-se pelo aspecto de pele “acolchoada” e flácida, com depressões e superfície irregular e pele em “casca de laranja” devido à tumefação dos planos superficiais da pele e dilatação dos poros foliculares. Sensação de peso, tensão e às vezes dores à compressão ou mesmo espontâneas podem estar associadas. Pode ser classificada nos seguintes estágios: Grau I (latente): assintomático, sem alterações clínicas. Grau II (incipiente): visível com compressão da pele Grau III (crítico): “casca de laranja” à inspeção, finas granulações à palpação com dor. Grau IV (grave): características do grau III e presença de nódulos visíveis, palpáveis e dolorosos. Mais importante que graduar (grau I, II, etc.) é identificar e abordar todos os fatores que causaram ou estão mantendo o problema. E, de acordo com o grau de manifestação do quadro clínico e alteração predominante (acumulo de gordura, flacidez, fibrose, retenção liquida) escolher os tratamentos mais adequados. Quais os tratamentos (a base de cremes) mais eficazes? Para fazerem efeito, os cremes precisam atravessar a pele e chegar até as células de gordura. Por isso, os cremes mais eficazes para o combate à celulite ganharam moléculas muito menores (nanopartículas) e veículos inteligentes que conseguem levar as substâncias ativas da fórmula até a camada de gordura. Os melhores produtos são aqueles que associam diversos ativos: para quebra ou diminuição do acúmulo de gordura, melhora da fibrose e flacidez, ativação da microcirculação. A massagem é um coadjuvante importante no tratamento da celulite. Ao fazer uma massagem enquanto espalha o produto no corpo, a circulação aumenta, facilitando ainda mais a penetração desses componentes. Além disso, os movimentos corretos – sempre de baixo para cima e em direção à virilha – funcionam como uma drenagem linfática. Aplicar o creme logo após o banho, também favorece a penetração do produto, já que a circulação fica ativada quando o corpo esta aquecido. Não se deve usar sabonetes hidratantes na área em que for aplicar o creme. As fórmulas existentes hoje no mercado são, de fato, capazes de acabar com o problema? Por trata-se de condição multifatorial, nem um tratamento isoladamente e capaz de eliminar completamente a celulite. Os cremes, com as características descritas, aplicados da forma correta e associados a medidas higiênico-dieteticas, podem ser...

Leia mais